Banco do Brasil propõe retirada de direito

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Compartilhe em sua rede social

Na terceira rodada de negociação específica do BB, que debateu saúde e condições de trabalho, instituição financeira sugeriu mudança na Gestão de Desempenho Profissional com a implantação de apenas um ciclo avaliatório para descomissionamento, ao invés dos três atuais

O Banco do Brasil propôs mudança na Gestão de Desempenho Profissional (GDP) com a implantação de apenas um ciclo avaliatório (um semestre) para descomissionamento, em substituição aos atuais três ciclos (um ano e meio). A proposta foi feita na terceira negociação entre a Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB) e representantes do banco. A mesa debate a pauta específica de reivindicações para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos funcionários do BB, no âmbito da Campanha Nacional dos Bancários 2020.

O tema da rodada de negociação realizada nesta sexta-feira 14 foi saúde e condições de trabalho.

A justificativa do banco para proposta é para adequação da realidade dos gestores de agências, que são submetidos a apenas um ciclo avaliatório.

A CEBB reforçou que defende justamente o inverso: ao invés de instituir um ciclo para todos os funcionários, que o gestor também conte com um ano e meio de avaliação.

“Defendemos a implantação de 3 ciclos para os gestores, o que se mostraria uma política de gestão do banco mais correta para com os trabalhadores e suas famílias, além de ser mais adequada ao tempo de desenvolvimento profissional no local de trabalho”, afirma Getulio Maciel, dirigente sindical e representante da CEEB pela FETEC-CUT/SP.

“Mas ao invés disso, o banco apresenta uma proposta de diminuição do ciclo avaliatório alegando que é uma questão de planejamento. Além de ser uma retirada de direitos, a proposta de avaliação em apenas um semestre vai de encontro a tudo aquilo que o próprio banco defende, que é o planejamento, o feedback, a preparação, e a curva de aprendizado do funcionário. E é impossível medir tudo isso em apenas um semestre, de acordo com o que dizem os bons manuais de administração, além de qualquer curva de aprendizado e análise psicológica”, pontua João Fukunaga, diretor executivo do Sindicato e coordenador da CEBB.

Metas mais humanas
Os representantes dos trabalhadores também reivindicaram do Banco do Brasil um sistema de cobrança de metas mais humano e racional a fim de diminuir o aumento dos casos de adoecimentos que acometem os funcionários da instituição financeira.

A CEBB enfatizou que a cobrança excessiva por metas abusivas, além de gerar um cenário adoecedor para os trabalhadores, muitas vezes resulta em práticas antiéticas

O Banco do Brasil respondeu que repudia veementemente qualquer tipo de assédio moral.

Covid-19
Também foi cobrado do banco a implantação de uma mesa específica de negociação específica para debater as condições de trabalho diante do cenário emergido da crise do coronavírus. Esta mesa será realizada na segunda-feira 17, quando também será debatida a questão das metas.

Saúde e PCMSO
O BB também se comprometeu a renovar a mesa permanente de discussão de saúde e PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). “Este ponto específico representa um avanço para os bancários porque não é algo que pode ser clausulado no Acordo Coletivo de Trabalho, mas é um tema que precisa ser acompanhado pelos representantes dos trabalhadores a fim de evitar mais adoecimentos”, afirma Maciel.

Setor bancário é gerador de doenças
Dados do INSS comprovam que a categoria bancária é uma das que mais adoece por conta do trabalho. Entre 2009 e 2013, houve um aumento de 40,4% no total de benefícios concedidos aos bancários, enquanto que para as demais categorias profissionais o crescimento foi de 26,2%.

Ainda segundo dados do INSS, de 2009 a 2018 mais da metade (56%) dos afastamentos de bancários foram reconhecidos como doença do trabalho, sendo as mais comuns: depressão, ansiedade, estresse e as LER/Dort. As doenças psicológicas foram progressivamente tornando-se prevalentes; de 2013 em diante, passaram a ser maiores que as Ler/Dort.

Segundo o Observatório de Saúde do Trabalhador, do Ministério Público do Trabalho, a incidência das doenças mentais e tendinites entre bancários é no mínimo de 3 a 4 vezes maior que a da maioria da população. O que demonstra que o fator trabalho é crucial para essa incidência.

Entre 2012 e 2017 os bancos foram responsáveis por apenas 1% dos empregos criados no país, mas por 5% dos afastamentos por doença, ainda segundo o Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho.

Outras Notícias