Bradesco foi condenado a pagar horas extras acima das excedentes da jornada de seis horas

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Compartilhe em sua rede social

Em ação movida em 2017 pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, o Bradesco foi condenado a pagar horas extras acima das excedentes da jornada de seis horas diárias e de 30 horas semanais aos empregados que exercem a função de Analistas de Produção Júnior no Departamento de Processamentos e Comunicações de Dados, em razão destes empregados não exercerem cargo de confiança.

Sobre as parcelas da condenação, deverão incidir correção monetária pela inflação (IPCA-E), juros moratórios, contribuições fiscais e previdenciárias.

Em 1933 os bancários conquistaram, ao lado do Sindicato, a jornada de seis horas diárias de trabalho, e os sábados de descanso, nos anos 1960. Por isso, quando acionada, a Justiça costuma sentenciar como extras as duas horas a mais da jornada de oito horas que praticamente todo bancário cumpre.

O Bradesco tentou retirar do Sindicato a possibilidade de entrar com a ação, porém o Juiz do Trabalho Valdir Rodrigues de Souza da 4ª Vara do Trabalho de Osasco afastou a alegação. “Sem razão. O artigo 8º, III, da Constituição Federal confere plena legitimidade aos sindicatos, dispensando qualquer autorização dos substituídos”, escreveu na sentença o magistrado.

A decisão foi em primeira instância e ainda cabe recurso.

Outras Notícias