Fenaban propõe acordo para dois anos com reajustes e sem retirar direitos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Compartilhe em sua rede social

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) apresentou nesta sexta-feira (28) ao Comando Nacional dos Bancários uma proposta de reajuste salarial de 1,5% este ano, mais um abono de R$ 2 mil. Para 2021, os bancos propõem reajuste da inflação e ganho real de salário de 0,5%. Verbas como vale refeição, vale alimentação, auxílio 13ª cesta alimentação, auxílio creche, auxílio babá e outros. Na PLR os valores serão corrigidos este ano pela variação da inflação pelo INPC. Para 2021, a PLR será corrigida pelo INPC, mais aumento de 0,5%. Todos os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) foram garantidos, assim como a PLR.

“A participação dos bancários na campanha nacional foi de extrema importância e conforme orientação do Comando Nacional dos Bancários, levando em conta a atual conjuntura que nós passamos, manter direitos conquistados e mantê-los por mais dois anos foi algo essencial para fecharmos um acordo, talvez não seja o desejado, mas sabemos que foi o possível a ser alcançado diante de um cenário desfavorável por conta de um governo que em vez de discutir avanços para os trabalhadores tem se dedicado em retirar direitos dos trabalhadores” destacou Aparecido Roveroni, presidente do Sindicato de Rio Preto.

Outras categorias

Nas negociações com seus funcionários que ocorrem simultaneamente à dos bancários, a Petrobras propôs acordo de dois anos, sem reajuste agora e correção pelo INPC apenas em 2021. Os sindicatos da categoria defendem o acordo com a empresa.

Outra categoria com negociações de âmbito nacional, a dos trabalhadores dos Correios será julgada no Tribunal Superior do Trabalho (TST). A empresa não apresentou proposta de reajuste salarial, excluiu 70 cláusulas do acordo coletivo, entre elas, licença-maternidade de 180 dias, pagamento de adicional noturno, horas extras, indenização por morte. Também foi retirado o auxílio para filhos com necessidades especiais.

Outro fator conjuntural que influencia nas negociações é o fato de a categoria bancárias estar parcialmente isolada por causa da pandemia. Cerca de 60% dos bancários estão em regime de teletrabalho.

Manutenção de direitos

Em uma conjuntura de crise econômica, de pandemia e com um governo que ataca a todo tempo os direitos dos trabalhadores, o Comando Nacional conseguiu a manutenção de todos os direitos da CCT e obteve avanços no reajuste da inflação, com um acordo de dois anos que garante aumento real de 0,5% para 2021.

A proposta da Fenaban reajusta a inflação este ano pelo índice do INPC as verbas do auxílio refeição; auxílio cesta alimentação; 13ª cesta alimentação; auxílio Creche e auxílio babá, auxílio filhos com deficiência, auxílio funeral e verba de requalificação profissional. Também será reajustada pelo INPC este ano a PLR.

Também para este ano haverá um reajuste de 1,5% nos salários; salários de Ingresso; gratificação de caixa, outras verbas de caixa; menor remuneração – Caixa/Tesoureiro; adicional por tempo de serviço; gratificação do compensador de cheques; ajuda para deslocamento noturno; indenização por morte ou incapacidade permanente decorrente de assalto e multa por descumprimento da convenção coletiva.

Reajuste de 1,5% + abono

De reajuste zero, passamos à proposta atual, de reajuste de 1,5% nos salários + abono de R$ 2.000,00 para todos em 2020, que significaria reposição ou ganho em 12 meses para salários de até 11.202,80, o que representa 79,1% do total de bancários. Pela proposta, os vales e auxílios seriam reajustados pelo INPC em 2020. Para 2021, de um reajuste parcelado (70% em setembro e 30% em março de 2022), passamos ao reajuste em setembro de 100% do INPC, mais 0,5% de aumento real, tanto nos salários quanto nas demais cláusulas econômicas.

Teletrabalho

Questões importantes ainda precisam ser definidas. O comando vai acertar com a Fenaban a incorporação de aditivos como o da violência doméstica e o sobre o teletrabalho, onde precisam ser definidas questões como ressarcimento de custos com internet, equipamentos, verba para comprar móveis e a definição do controle da jornada.

Nas negociações do Comando Nacional dos Bancários, a Fenaban foi gradativamente evoluindo suas propostas. Se inicialmente os representantes dos bancos propunham reajuste zero, passaram a dar um reajuste para 2020 que mantém um ganho médio acima da variação da inflação neste ano e em 2021 corrige pelo INPS mais aumento real de 0,5%. Os bancos tentaram eliminar direitos da categoria conquistados durante anos e aceitaram, ao fim, manter todas as cláusulas da CCT por dois anos .

Categoria unida

“A categoria bancária mais uma vez demonstrou que tem garra e mobilização. A manutenção dos direitos e reajustes salariais somente foi possível com a unidade da categoria nessa campanha. Sabemos que o atual cenário é desfavorável para grandes avanços, manter os direitos e avançarmos nas cláusulas econômicas foi muito positivo”, destacou Aparecido Roveroni, presidente do Sindicato de Rio Preto.

As negociações também prosseguem nas mesas específicas do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e outros bancos públicos, importantes diante dos ataques do atual governo contra as empresas públicas. Após as definições das mesas dos bancos públicos é que serão marcadas as assembleias para avaliar a proposta da Fenaban. Acompanhe as negociações e as assembleias pelas nossas redes sociais.

facebook.com/bancariosriopreto

instagram.com/bancariosriopreto

Outras Notícias