Movimento Sindical debate sobre crise econômica e proteção de bancários

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Compartilhe em sua rede social

Pagamento integral de salários, garantia de emprego e disponibilização de EPIs foram destaque da conversa

Nesta segunda-feira, 13, a Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SPMS) participou ao lado do Comando Nacional e da Federação Nacional dos Bancários (Fenaban), de mais uma reunião por vídeo conferência para debater garantias e impactos da quarentena no país.

A crise econômica, os reflexos na sociedade e a proteção dos bancários neste período de isolamento social foram pontos centrais do debate.

Durante a conversa foi reafirmado pela Fenaban o pagamento integral dos salários e a garantia de que aqueles considerados vulneráveis por fazerem parte do grupo de risco, permaneçam com o sistema de trabalho home office, ou adotem outras medidas para que fiquem afastados neste período, como férias ou uso de banco de horas. Outro ponto relevante da reunião foi a garantia de emprego durante o período de crise foi anunciada pelos três maiores bancos privados, Santander, Bradesco e Itaú.

A vacinação contra a gripe influenza foi outra medida positiva do debate. Os bancos anunciaram que já foi realizada a compra do medicamento e as imunizações começam a partir do dia 15 nos grandes centros administrativos de São Paulo e Osasco e, logo após, o calendário de distribuição segue por todo o Brasil e deve chegar com a mais brevidade possível a todos os bancários.

A disponibilização dos EPIs (equipamentos de proteção individual), como máscaras e proteção de acrílico também foi confirmada, bem como a viabilização da distribuição para todos os locais de trabalho.
“As medidas e os compromissos debatidos nesta tarde são fundamentais para este período. Entendemos que o nosso papel é fazer uma negociação permanente com os bancos no sentido de garantir essas proteções, tanto do emprego e do salário, quanto da proteção individual contra a doença. Também temos trabalhado muito para ver os problemas em cada local de trabalho”, comenta o presidente da Feeb SP MS, Jeferson Boava.

Fonte: Feeb SP/MS

Outras Notícias