Santander: o pior banco para os brasileiros

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Compartilhe em sua rede social

Em mais uma demonstração de alinhamento com as políticas do governo fascista de Jair Bolsonaro, o Santander tornou-se o primeiro banco no Brasil a demitir trabalhadores sem justa causa durante a pandemia de coronavírus. No início de agosto, o banco mandou embora ao menos 15 trabalhadores, descumprindo o compromisso público que havia assumido em interromper desligamentos durante a crise sanitária.

Em março, o Santander se comprometeu publicamente em mesa de negociação com o movimento sindical em suspender as demissões que poderiam estar em andamento e a não demitir enquanto a pandemia perdurar no país.

“Em 23 de março anunciamos nosso compromisso público de não demitir funcionários durante o período crítico da pandemia. Na semana anterior, já havíamos divulgado a decisão de antecipar todo o 13.º de nossos funcionários para pagamento em 30 de abril”, disse Vanessa Lobato, vice-presidente de Recursos Humanos do banco no Brasil, em declaração a imprensa.

“Infelizmente o que o Santander está fazendo é desumano, um desrespeito não apenas com os trabalhadores, mas com toda sociedade brasileira. Os bancários estão na linha de frente, colocando suas vidas e de seus familiares em risco para cumprir metas, correndo o risco de serem contaminados, como muitos já foram. Como se não bastasse, lidam diariamente com pressões e com o terror de perder o emprego durante a maior crise sanitária da nossa geração”, critica o dirigente sindical e funcionário do banco, Daniel Vitolo.

Além das demissões, o banco tem forçado o retorno ao trabalho presencial durante a pandemia, o que contraria as recomendações de especialistas em saúde e das autoridades sanitárias.

“Parece que o banco ignora a grave crise de pandemia que estamos vivendo, se comporta como se estivéssemos em uma situação de normalidade, o que claramente não tem a ver com a realidade que vemos. Nosso país já registrou mais de 117.665 mil mortos. Na Espanha, o Santander tem agido de forma totalmente diferente, o que nos deixa claro que por aqui a direção optou em se alinhar com Bolsonaro na tentativa de enfraquecer as quarentenas e de prejudicar os trabalhadores”, diz o dirigente sindical.

Tudo isso, com mais de R$ 1 trilhão liberado pelo Governo Federal aos bancos, o que desmente a justificativa do Santander em demitir por conta de ajuste econômico gerado pela crise.

“Se tem um segmento que, mesmo com a pandemia, está muito bem economicamente, este setor é o dos bancos. Eles receberam um pacote enorme de ajuda do Governo enquanto a maioria da população tenta sobreviver com R$ 600. Em contrapartida, o Santander demite trabalhadores que dificilmente conseguirão recolocação profissional durante a pandemia, agravando a crise social no país que mais gera lucro ao banco mundialmente”, finaliza.

Envie denúncias
O Sindicato pede que os bancários continuem enviando suas denúncias para que possamos tomar as medidas cabíveis para cada caso. Sindicato Rio Preto (17) 2137-6000

Outras Notícias