Sindicato em apoio ao dia nacional de luta, realiza manifestação contra demissões no Banco Mercantil do Brasil

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Compartilhe em sua rede social

O Sindicato dos Bancários de Rio Preto e Região em apoio a Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Mercantil do Brasil realizou nesta quinta-feira (10), dia Nacional de Luta em repúdio às demissões realizadas pelo banco e também contra uma série de problemas que afetam funcionários e clientes.

O ato em solidariedade às dezenas de pais e mães de famílias que perderam seus empregos em meio à pandemia do coronavírus (Covid-19), também denunciou o assédio moral, as metas abusivas, a precariedade no atendimento bancário, longas filas nas agências.

De acordo com o COE, somente na segunda quinzena de novembro, o Mercantil do Brasil demitiu mais de 30 funcionários.
Diretores do Sindicato e funcionários do banco realizaram um ato de protesto de frente a agência de São José do Rio Preto, com distribuição de cartas abertas à população, mensagens em carros de som e exposição de faixa contra as demissões.

“Na contramão do que o país precisa, como geração de empregos e distribuição de renda, o sistema financeiro e o Mercantil do Brasil não é diferente, tem gerado demissões, afetando e gerando dificuldades para inúmeras famílias de bancários e bancárias” disse Hilário Ruiz, vice-presidente regional do Sindicato.
Devair Silva, bancário do Mercantil e diretor do Sindicato, questionou a responsabilidade social dos bancos, principalmente neste momento de crise gerado pela pandemia da Covid-19.

“Cadê a responsabilidade social dos bancos? Infelizmente, os bancos em vez de contratar e gerar empregos, demitem, gerando mais desempregados para o país. Vamos continuar cobrando e denunciando a falta de compromisso do banco, que insiste em demitir trabalhadores em plena pandemia, mesmo obtendo altos lucros” ressaltou o diretor.

Clientes reclamam

O Mercantil também vem sendo alvo de reclamações de clientes, que acabam sendo afetados pelas demissões. “Os clientes do Mercantil do Brasil, na maioria aposentados e pensionistas do INSS, padecem nas longas filas à espera de atendimento. Esse é o resultado das demissões, pois o atendimento foi precarizado”, ressaltou Marco Aurélio Alves. Os clientes do banco também reclamam da venda casada de produtos, o que infringe o Código de Defesa do Consumidor. A COE já denunciou essa situação junto ao Recursos Humanos do banco, mas até o momento não houve uma resposta convincente.

A comissão também denuncia as pressões sofridas pelos trabalhadores do banco. “Os funcionários que escaparam das demissões, ainda têm que lidar com o assédio moral e com o aumento abusivo de metas, impostos por uma Superintendência comercial draconiana e sem limites. Um absurdo sem precedentes”, criticou o coordenador da COE do Mercantil.

Galeria de Fotos

Outras Notícias

Assembleia geral extraordinária com os funcionários do Banco do Brasil para avaliar a proposta de paralisação das atividades no dia 29/1. Período de votação: Dia 25/01/2021 das 8h às 18h.